Testemunhos

Music Together 3

A Grãos de Gente

O meu marido falou-me da Grãos de Gente em 2010, quando estava grávida da nossa primeira filha. As recordações que tinha do espaço e das pessoas eram tão boas que não hesitei em aceitar a sugestão de a colocarmos lá.

Os primeiros dias são sempre dificeis para uma mãe… deixava lá a minha pequenina e vinha com um nó na garganta, morria de saudades! Quando a ia buscar ela estava sempre super feliz e revelava tanto carinho pelas auxiliares que aos poucos ficou mais fácil para mim! Adorei tudo na escolinha e, quando entrámos, ainda estavam a usar aquela casinha pequenina como instalações provisórias! No ano seguinte, abriram as actuais instalações e, o que já era bom, passou a ser óptimo!
Gosto de tudo… o espaço é maravilhoso e o contacto com a natureza faz tão bem aos nossos filhos! As pessoas que ali estão a cuidar dos nossos grãozinhos são excelentes… são amigas, atenciosas, meigas e cuidadosas!
Não posso deixar de falar da educadora Sofia… A D. adora-te de paixão, aliás, acho que todos eles te adoram! O teu trabalho tem sido fantástico, desde o inicio que estou muito feliz por estares presente na vida da minha boneca! OBRIGADA! Outro muito obrigada, às auxiliares da sala… Lena e Teresa, como já tinha dito o vosso trabalho é fantástico!
Como não podia deixar de ser, a minha segunda filha, também ficou na Grãos de Gente e, tem sido igualmente maravilhoso. Para mim, foi mais fácil pois já conhecia o pessoal todo mas, mesmo assim, estou encantada com a Marina e com a Sandra! Vocês são incansáveis, maravilhosas e, é tão bom, saber que a minha mais bebé está tão bem entregue! =) Obrigada!

Parabéns a toda equipa pelo excelente trabalho que têm vindo a desenvolver! Vocês preocupam-se com o mais importante… deixá-los ser crianças!

Mafalda Lobo Pimentel

*****

Aquelas palavras que queria ter dito na reunião de sala, mas que não fui capaz!

 Na realidade existem algumas pessoas (por vezes, demasiadas) que não têm a perceção da importância que a educadora de infância pode ter na formação de uma criança.

Sem dúvida que após 4 anos de partilha com este espaço fantástico e pessoas que iremos sempre recordar, não podemos deixar de expressar a nossa gratidão pelo trabalho diário na educação de todas as crianças, que grão a grão os ajudam a crescer em muitos domínios (intelectual, emocional,…) e porque saímos pelo portão descansados, pois sabemos que tudo fazem para darem o máximo na transmissão de uma constante aprendizagem, respeitando sempre a personalidade de cada grão de gente!

Não podemos deixar de expressar o nosso profundo carinho pela educadora do nosso filho, Eugénia Lynce, pelo alerta e apoio incondicional que deu ao Manuel com 18 meses, no momento em que lhe foi detetado o problema de visão. Nunca iremos esquecer como tratou este problema com tanta criatividade, tendo feito palas em papel para que o nosso piratinha se habituasse à oclusão….não temos palavras!!

Ao longo deste último ano é de louvar o trabalho conjunto entre a educadora e as auxiliares que, com tanta criatividade, ensinaram aos nossos grãos que as cores traduzem a natureza que envolve esta escola, e lhes transmitiram as letras e os números como quem conta uma história…

Um obrigada a todas as pessoas que fazem desta escola um espaço tão especial, mas não podemos deixar de salientar o nosso maior respeito e admiração por toda as equipas que acompanharam o meu piratinha, hoje em dia muito mais sociável (tal e qual como a Mãe..), a Eugénia, Patrícia (a sombra durante muito tempo do Manuel), Célia e Sandra.

Bem sei que as mudanças fazem crescer…mas por vezes é tão difícil sair do nosso espaço de conforto!

Manuel Moreira

Sandra e António Moreira

*****

A Grãos de Gente

Há dias que ando a “engendrar” na minha cabeça um texto que traduza o que penso da Grãos de Gente. Mas é tanto e tão complexo que me ocorreu elencar … tudo o que gosto!

Ora então vejamos se concordam. O que eu verdadeiramente adoro na (nossa) Grãos de Gente é:

  • A sensação de tranquilidade com que fico, sempre que eu ou o pai das minhas filhas as deixamos de manhã. Há cerca de 3 anos, a mais velha frequentava outro colégio e eu sentia (e sabia!) que ela não estava bem entregue. Essa sensação definitivamente acabou. As crianças estão muitíssimo bem entregues, gostam e sentem-se bem na escolinha e nós Pais podemos desempenhar as nossas actividades profissionais serenamente. Os meninos ficam bem e isso é simplesmente maravilhoso
  • O sorriso e a alegria com que as crianças são recebidas todos os dias. As senhoras que as recebem de manhã, bem como TODA A EQUIPA, têm sempre uma palavra simpática e acolhem os miúdos com muito mimo e afecto. E não é nada fácil trabalhar com crianças tão pequenas:  é extenuante, repetem-se as mesmas indicações e tarefas todos os dias, a toda a hora, há muito, muito trabalho a fazer. Ainda assim, tanto quando as levamos de manhã, quando no momento em que as vamos buscar à tarde, encontramos sempre simpatia e disponibilidade
  • A articulação que faço (fazemos) com as Educadoras e Auxiliares, no sentido de melhor educar e orientar as nossas filhas. Sempre que necessitamos de apoio ou de um conselho, lá estão aquelas incansáveis senhoras, sempre disponíveis para dar o seu melhor e para pensarmos em conjunto nas melhores estratégias a adoptar!
  • O contacto com a natureza que proporcionamos aos nossos miúdos, onde se inclui todo o espaço exterior da escola. As minhas filhas simplesmente adoram-no!
  • A orientação pedagógica promovida pelas Educadoras, que faz com que as crianças sejam respeitadas na sua especificidade e se tornem seres pensantes, autónomos e com capacidade para tomarem pequenas decisões e gerirem os seus conflitos.
  • O espírito voluntário da Direção e de alguns Pais, que se dispõe a ajudar no que podem.
  • O rigor, cuidado e amor com que tudo é pensado de modo a garantir que as crianças se sintam felizes. Como é o caso, por exemplo, do momento das refeições, em que a Lourença pensa tudo ao detalhe e proporciona aos meninos um ambiente bonito, florido e agradável. A minha filha mais velha diz que a Lourença “é como uma avó”!
  • Ah! E as refeições são muito boas, de qualidade superior! É o que as meninas me transmitem, o que se verifica porque elas estão cada vez mais fortes e saudáveis! Adoram legumes! Impressionante não é? Tive a sorte de já ter provado uma refeição e estava de facto deliciosa.
  • Finalmente e talvez o mais importante de tudo, os AFECTOS. As minhas filhas e acredito que todas as crianças, sentem-se profundamente amadas e valorizadas na escola. Isto a mim emociona-me e guardarei para sempre, assim como elas, recordações fantásticas destes primeiros anos das suas vidas!

Obrigada Grãos de Gente!

Ana

*****

Olá!

A nossa opinião este ano foi de que houve uma mudança criativa para melhor!

Começo pela festa do dia do pai:

Quando soube que não seria aquela festa clássica do costume em que todos participam numa actividade em conjunto com o resto dos pais e das crianças, fez-me torcer o nariz (normalmente sou muito aberto a novas ideias mas neste caso estava com aquela pergunta na cabeça: “porquê mudar?”).

Mas…

…Depois de ter sido um dia individual com a nossa criança e a fazer o que ela tinha escolhido (e a uma hora à escolha dos pais), deixem que lhes diga que foi genial!

O “dia do pai” é para o pai da criança (e a criança) e não para os pais (plural) e para as outras crianças que não a nossa (parece muito egoísta mas é a verdade).

A escolha feita pelo nosso filho é muito mais relevante do que as escolhas feitas pelos professores, e por isso fez todo o sentido e acho que agora torcerei o nariz quando houver uma festa do dia do pai (ou da mãe) diferente desse formato, porque a meu ver foi perfeito.

O resto do ano lectivo foi preenchido com várias idas ao Palácio do Egipto, entre outros e isso foi muito bom. Além de terem sido passeios sem custos para os pais (que é sempre bom), os passeios não passaram despercebidos.

Tanta coisa a dizer, mas acho que basta falar (para terminar) da festa de fim de ano, que concordo com a Marta, uma festa num sítio fechado quando se tem o privilégio de uma quinta, e depois ser mais uma vez uma festa onde se pode estar com o nosso filho e com a comunidade da escola, num pic nic, foi muito boa ideia!

Obrigado pelo ano tão bem passado e agora o desafio é superá-lo!

O meu Rodrigo provavelmente vai ficar mais este ano, seremos das famílias mais antigas na Grãos de Gente (já lá vão 10 anos a crescer convosco!).

bjnhs,

Enzo + Xana

*****

Grãos de Gente, obrigada!

Ainda há jardins-de-infância assim…que não se importam de encher os miúdos de terra, de ar puro e alegria, e que longe daqueles ambientes assépticos típicos de tantos equipamentos de infância por aí, não enfiam as crianças numa bolha. Ao contrário, preferem pô-las em contacto com os micróbios da vida em doses saudavelmente controladas, e mostrar-lhes os números e as letras desenhadas com um pau, na areia.
Foi um jardim-de-infância destes – que não se acanha em dar a conhecer a Vida no seu estado puro às crianças que integra – que escolhi para os meus três filhos. E vos garanto que não me arrependo.
Hoje foi a festa de final de ano da minha filha { a última da minha filharada a usufruir deste privilégio de escola}, um pic-nic para os meninos e famílias, num ambiente de convívio e de simplicidade. Ficou longe daquelas festas ensaiadas e formais, em que cada sala, de forma aprumada e disciplinada {nesta altura do ano, num auditório qualquer e debaixo de um calor irrespirável ou frio polar artificial}, obriga as crianças a mostrar proezas, tantas vezes debaixo de alguma dose de sofrimento para os mais pequenos.
A festa da Grãos de Gente foi muito longe disso e ainda bem. Houve merendas trazidas pelas famílias, pés descalços, descontração. Houve um cenário idílico {que nem todas as escolas têm a sorte de ter a Estação Agronómica como pano de fundo}, gargalhadas e espaço. Muito espaço.
Hoje foi o último dia da minha filha no jardim-de-infância, que já tem estatuto de menina crescida. E porque não se avizinham mais filhos no meu horizonte, foi também a minha despedida deste espaço e daquela família.
À Carmelinda, à Ana, à Graça, à Eugénia, à Sandra e à Marta, os meus agradecimentos por terem contribuído para a autonomia e para a felicidade dos meus filhos.
Ainda há jardins-de-infância assim…e ainda bem.
*****

Boa tarde,

Mais um ano e mais uma vez, venho agradecer todo o desempenho e carinho das Auxiliares, todas sem exceção, bem como  da Educadora do meu filho a Patrícia. O meu filho é feliz aí e aprende muita coisa, quase todos os dias vem com novo vocabulário, com histórias novas e muito engraçadas, onde se nota que estiveram a ‘brincar’ com os números, frases, temas. Também muita brincadeira e muito espaço livre.

Um beijinho muito especial, para a Lourença, Célia, Ana Luísa, Fátima, Sandra, Patricia, Patricia e Luísa, que são o prolongamento da nossa família, todas tias dos meus filhos J, bem como um beijinho para a Eugénia e Ana que não conheço tão bem e ainda um beijinho para todas as pessoas da creche que me deixaram muitas saudades, nomeando algumas, pois não me lembro do nome de todas: Marina, Rita, Lena, Lú e Carmelinda.

Obrigada por existirem, obrigada por nos fazerem ainda mais felizes.

Bem Haja

Pais Francisco Neves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *